quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Resenha: Ascension


"Uma nave tripulada por 600 pessoas, entre homens, mulheres e crianças que, em 1963, durante a Guerra Fria, deixaram a Terra para trás no início do programa espacial. Meio século após o lançamento da sua missão secreta, que visa colonizar um novo mundo, um assassinato misterioso à bordo da nave leva a população a questionar a natureza da sua missão, à medida que se aproximam de um ponto onde não é mais possível retornar."
OBS: Os spoilers estão moderados, nada que atrapalhe ou tire a graça de assistir a série, pode ler tranquilo.


A série que foi escrita por Philip Levens (Smallville) e foi exbidida no canal Syfy, infelizmente é o verdadeiro tipo de série conhecido como: "Tem tudo pra dar certo, mas não dá"; a série é muito intrigante, pois a nave da série é baseada no Projeto Orion, a diferença é que a nave na série chegou a ser "decolada". Durante todo o período em que as pessoas estão na nave, elas ficam sentindo um complexo de responsabilidade sempre quando são lembradas que eles são a única esperança da raça humana, por isso existem regras e sistemas parecidos com o da Terra (dos anos 50 e 60) mas sendo adaptados para uma civilização que são obrigados a conviver juntos até Deus sabe quando.

Uma dos pontos fortes da série, é justamente a relação pessoal da tripulação, no começo dá impressão que são inocentes, mas após tanto tempo convivendo todos juntos, sentimentos como: raiva, inveja e luxúria; uma hora ou outra começam a aparecer, pra se ter uma noção: na nave existe também as "modelos", mas quando a mulher é escolhida para ser modelo, ela já tem o consentimento que terá de fazer de tudo, inclusive o "Book Rosa"; e o sexo acaba virando uma moeda de troca para pessoas de alta patente para saber informações para combater o seu "aliado". É muito realista e compreensível a relação de cada com cada um dos tripulantes e se desenrola de uma maneira bem interessante.

Mas o ponto fraco começa se desenrolar desde o primeiro episódio (mas não de uma forma óbvia), um tema quase que clichê, a criança com premonições e supostamente poderes estranhos, acabou tirando toda a graça realista da série, a explicação não chega a ser "surreal" mas começou se perder por aí, pois o desenvolvimento dos tripulantes por conta própria estava interessante, mas a partir do momento que as pessoas da Terra interferem, fica parecendo algo tipo um Big Brother Space, e que as pessoas da Terra nada mais são do que Boninho (dá pra ter uma noção,né?!).

Uma coisa que achei que poderia ter sido um pouco melhor também, foi os efeitos gráficos, como botaram coisas "sobrenaturais e surreais" na série, você precisa investir pesado nos efeitos, e digamos que não ficou muito bom o resultado, principalmente na última cena que parecia montagem feita por um iniciante em Photoshop. Sobre o final da série, é uma loucura total, as revelações acontecem mas os acontecimentos são foge da realidade totalmente, e o que posso explicar é que a verdadeira intenção do projeto realmente é começar a vida humana num outro planeta, mas não indo através da nave espacial mas por um outro método que é de dar inveja para os heróis da Marvel e DC.

Enfim, a série que é composta por 6 episódios (no Netflix está disponível), são poucos episódios, então aconselho a ver, e é uma boa fazer uma maratona no final de semana que consegue assistir tudo de boa, acho que o que vale a pena na série é a forma que os personagens da nave se relacionam na "sociedade" que é bem interessante e se ter uma noção do que realmente seria o Projeto Orion se ele tivesse sido realizado.